Do preconceito ao desconhecimento: os obstáculos da captação – Agência do Bem
Notícias

Do preconceito ao desconhecimento: os obstáculos da captação

Por 8 de novembro de 2017 Nenhum comentário

Doadores tem 100% de redução fiscal via Lei Rouanet até 31 de dezembro

Ao longo de 12 anos trabalhando com desenvolvimento social no Rio de Janeiro, a Agência do Bem caminha junto com parceiros e apoiadores que ajudam a tornar possível enxergar e alcançar uma transformação cada vez maior visando o bem coletivo. Ainda assim, cenários econômicos inconsistentes como os dos últimos anos, que por vezes afetam empresas e famílias inteiras, também ameaçam e fecham as portas de muitas organizações, tornando necessário sempre pensar dois passos à frente, o que nunca diminui os desafios relacionados à captação de recursos.

“Quando falamos de planejamento, falamos em todas as dimensões. A gestão de uma organização do Terceiro Setor é tal qual a administração e gestão de uma empresa, com obrigações que são muito parecidas, e com um agravante: sem ter um serviço ou um produto tangível a oferecer no mercado. É muito mais difícil vender uma causa, um projeto social, do que vender um bem, um produto na prateleira do mercado, onde as pessoas vão buscar sabendo que precisam daquilo.”, explica Alan Maia, presidente da Agência do Bem. Quem vê os projetos da organização acontecendo e alcançando centenas de crianças e jovens beneficiados no estado do RJ, pode ficar surpreso com a situação que a organização enfrentou quando, em 2015, precisou reduzir toda a gama de atuação devido ao forte impacto da crise econômica e política: “tivemos que fechar polo comunitário, demitir pessoal, diminuir o tamanho dos projetos e do seu atendimento.”, relembra Alan.

Mas nem sempre a economia é o maior obstáculo quando se fala em captação de recursos. “Existe ainda muito preconceito quando se fala de ONG, o que é um equívoco. Nós trabalhamos junto com centenas de ONGs e sabemos da seriedade de todas elas. Infelizmente, às vezes, o justo paga pelo pecador. Em segundo lugar, existe muito desconhecimento. A gente capta pela Lei Rouanet, que tem 100% de dedução do imposto, tanto para empresa quanto para pessoa física, e as pessoas não conhecem. Um outro ponto relacionado a isso é que as pessoas têm medo de mexer em imposto de renda e aí deixam de doar quando, na verdade, o mecanismo é super simples, fácil e não dá problema nenhum. Há inclusive campos específicos no sistema de declaração para se lançar essa informação.”, ressalta Alan Maia.

Já quando se fala do meio empresarial, boa parte carece de departamentos e pessoal dedicado ao setor de Responsabilidade Social, o que também torna difícil a adesão. Felizmente, ao estabelecer o primeiro contato com a Agência do Bem, os doadores podem conhecer um currículo muito forte, embasado em 12 anos de atuação. Vale lembrar que o calendário para doações via Lei Rouanet, para Pessoas Físicas e Jurídicas, vai até o dia 31 de dezembro. E se você deseja contribuir com a Agência do Bem ou obter informações detalhadas, basta entrar em contato pelo telefone 2428-2547.